segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

NÃO QUERO MAIS PALAVRAS DOCES!

06/1999 - Conheci meu primeiro namorado: NETO. O inesquecivel em minha vida!

01/2000 - Terminamos definitivamente. (durante alguns anos, matavamos as suadades 2 vezes por ano).
Passei quase 9 anos da minha vida acreditando, que outra pessoa, jamais ocuparia o seu lugar. E durante esse tempo todo vive pequenos romance;, beijei muitos, durmi com vários, saí com tantos, fiz outros pagarem em seu lugar... Tudo isso na tentativa de encontrar em outras pessoas sua essência, seu sorriso... até seu mesmo signo!
Cada terminio de um novo namoro, era um rio de lágrimas, lágrimas que só eu sabia que por dentro pertênciam ao NETO. (era nele meus pensamentos)
Passei quase 3 anos com um cara, que foi o relacionamento que mais durou. Ele sabia que meu amor pelo o Neto era tão grande, que chegou a me dizer que só aceitava me perder pra ele, e nunca para uma outra pessoa. Tanto que aceitou até uma tatoo que eu fiz com a letra inicial do Neto.

Descobri que a maior dor do mundo, não é a de perder quem você ama. E sim, a de você querer amar outra pessoa e não conseguir. Passar 9 anos sem um brilho no olhar...

Rezava, chorava, implorava a DEUS para que eu pudesse amar novamente, para que eu pudesse sentir algo por alguém que realmente gostasse de mim. Queria poder pensar em alguém quando ouvisse uma música, chorar por conta de uma briga, contar como foi o meu dia, tomar sorvete juntos, andar de mãos dadas, fazer juras de amor, poder dar aquele abraço depois de fazer as pazes...
Enfim, tudo o que tem de bom em um relacionamento.
Mas como? A única certeza que eu tinha, era; "O Neto vai ser meu de novo. Nem que seja em uma outra vida!". Ele havia virado um fantasma, essa era a verdade...

09/ 08/2008 - Conheci o Aureliano.
Estava eu em um bar (GLS) com alguns amigos, quando avistamos duas pessoas entrarem: um moreno e outro loiro.
Meu amigo João me pediu pra que eu desse uma olhada melhor, porque o loiro estava chamando atenção em algumas pessoas. (eu não estava nem ai pra isso)
Depois de quase 3 horas de festa, meu amigo que havia ido pra boate ao lado, voltou acompanhado com o moreno amigo do loiro. Então ficamos juntos bebendo no bar. Eu como desde o início, sem olhar pra ninguém.
Meia hora depois, o loiro aparece atrás de seu amigo querendo ir embora, porque várias pessoas na boate queriam atacá-lo. Mas seu amigo estava tão feliz com meu amigo, que acabou ensistindo pra ficar. Ele concordou!

- E você não fala?
- Falo sim.
Eu estava com um copo de bebida na mão, que não largava por nada dessa vida, e por cima muito zonzo já. Olhava pra ele virando só o olhar, e com o olhar respondia.
- Você não dança?
- não... sim, tenho vergonha na verdade. (falei)
- pois dança comigo?

Nus mexemos na verdade. Ele sempre com o olhar enfiltrado no meu, como se quizesse me contar alguma coisa.
Depois de um bom tempo ele me robou um beijo, que eu não esperava, mais já desejava e não sabia, pois meu pensamento estava no Neto mais uma vez.
Ele em quem sabe, fosse demorar na minha cabeça por algumas semanas e nada mais, como todos os outros?!
17/08/08. Fui pra Pacatuba com o Aureliano e um outro amigo seu, o ;Eduardo.
Fomos subir a serra e tomar banho de cachoeira, um programa que jamais havia feito. E pra mim, a sensação era de lavar a alma...
Como estava feliz... que do nada me senti com meus 16 anos, quando me apaxonei pela primeira vez! Ele até me falou que nunca viu um brilho no olhar tão grande como o meu. - Brilho... Um brilho?...
O Aureliano era a coisa mais maravilhosa em minha vida, um sonho bom, um anjo, aquela pessoa que só te fala o que você quer ouvir, palavras doces... Eu até voltei a sorrir, ir a igreja, dançar, andar cantando, dava bom dia pro sol e agradecia à DEUS por tê-lo em minha vida todas as noites.
Tudo bem que ele morava em outra cidade próxima da minha, e que por conta disso, não podiamos nus ver todos os dias, principalmente por causa do seu trabalho em uma gráfica.
Ele falava que eu era o melhor presente que DEUS poderia ter lhe dado. Que por minha causa os problemas que ele tinha, tinham se tornados pequenos e inofêncivos. Eu era o motivo de seus sorrisos constantes!!!
Corremos pela praia, nus beijamos em praças públicas, só pra mostrar o nosso amor e nossa felicidade, ríamos e corríamos quando alguém se apróximava.
Como era bom...
Um certo dia fui pra boate e vi o Neto. Eu dei um grande abraço nele e chorei muito, pois havia acabado de descobri que eu já não sentia mais nada por ele, que sua presença com outra pessoa, já não me fazia sofrer, já não me causava encomodos. Foi uma libertação...
Nesse memos dia fui pra casa do amigo do Aureliano, o Edu, e dormir lá. Menos o Liano, porque não podia dormir fora de casa. E no dia sequinte já estava marcado de ele me pegar pra irmos a praia.
Quando eu e Edu acordamos, ele pediu pra dar uma volta comigo pelo seu bairro e me mostrar uma bela casa. Uma hora depois o Aureliano foi me pegar, e estava muito apressado, e já na parada de ônibus ele estava muito nervoso, só Deus sabe os motivos!?

- Aureliano, aconteceu algo?
- Não. só quero chegar logo.
- Sinto que depois que sairmos daqui, algo vai mudar.
- Por quê você acha isso?
- Estou com a impressão que você só quer me deixar em casa, poque lá estarei mais seguro.
- Seguro de quê?
- De que se você me deixar, estarei perto da minha família pra me confortar e empedir de eu fazer algo.
- Parece que é bobo. Eu estou aqui!
(Uma lágrima caiu do eu olhar)

Depois que chegamos em casa, almoçamos com minha avó. E antes de irmos a praia, no sofá da minha casa ele me pediu um beijo e chorou, dizendo que não conseguia me dizer algo.

- BW, sabe aquele cliente chato que sempre me liga em certos momentos, o fato de não poder dormir fora de casa, da viagem do meu aniver e você não poder ir, e do trabalho na gráfica?
- Sei... (já chorando muito, pois já imagina o pior)
- O cliente se chama Allan, eu moro com ele e não com os meus pais, a viagem do meu aniver foi ele quem organizou, porque ele é meu patrão e namorado!...

Depois de tudo isso, de chorar todas as lágrimas que existiam em mim, de a pior dor do mundo ter se instalado em meu peito e eu tentar tirar minha vida, descobri?! Descobri que realmente no mundo, alguém foi capaz de me fazer esquecer o fantasma do Neto. Porém, acabou virando outro!!!

2 comentários:

Adler Lima disse...

Afi, que novela mexicana. Só que para mim é basicamente um vale a pena ver de novo, pois de grande parte já soube ou vivi através de vc.

Melhoras!

Homorango disse...

Uma grande história.. A vida é cheia de acertos e erros... E isso é que compoem uma grande história... e de momentos maravilhosos, é claro!
Fiquei com invejinha....